O difícil caminho em busca da aprendizagem


Quando tempo você anda até chegar à escola? Seja para estudar, seja para levar seu filho.

Muitas das pessoas pessoas que irão ler essa postagem desconsideram a pergunta que fiz  e desconhecem a realidade que está estampada nas imagens abaixo. 

O acesso à internet é, principalmente no Brasil uma comodidade dos centros urbanos que morosamente se expande pelo país. 

Outra coisa que se expande no mesmo ritmo  no Brasil em questão de qualidade é o transporte escolar  público, principalmente na zona rural do país. Crianças atravessam rios, pontes precárias, são transportadas em camionetas, carroças, caminhões, motos, ônibus precários e em outras infinidades de meios subumanos de transporte que não garante o bem estar e nem a segurança dos alunos, tudo isso aliado a fator tempo, onde muitos estudantes tem de acordar muito cedo para ir à escola. Alguns acordam cedo, tem um longo trecho de caminhada pela  frente e mais uma demorada viagem de ônibus ou outro transporte até a escola.

A maioria dos que estão lendo esse texto provavelmente possuem uma escola no bairro onde mora ou muito próximo à sua casa, ou, na pior das hipóteses, enfrentam uma viagem considerável de ônibus até o local de estudo.

Nas fotos abaixo estão relatados casos extremos pelo mundo de alunos que enfrentam dificuldades quase insuperáveis para chegar à escola. Alguns desses casos acontecem no Brasil, e, falo isso com toda a certeza pois leciono em escola do campo e conheço a realidade do aluno na área rural  desse país.

Visualizem as fotos e mostrem aos seus filhos, irmãos e amigos, quem sabe eles valorizem mais a comodidade que possuem para chegar à escola. 

Em Sumatra, na Indonésia, cerca de 20 alunos passam por uma corda acima do rio para chegar em sua escola na cidade de Padang.



 Em Sangiang Tanyung na Indonésia as crianças devem atravessar um ponte suspensa danificada pelas cheias.

De acordo com fontes da região, a maior produtora de aço da Indonésia, a empresa PT Krakatau Steel irá construir um ponte nova no lugar da antiga que foi danificada pelas cheias.




 Ainda na Indonésia, as crianças atravessam de bicicleta um aqueduto que separa a aldeia onde elas moram da cidade de  Suro Plempungan em Java, onde fica a escola que estudam.





 Nas Filipinas, as crianças das escolas primárias utilizam pneus infláveis ​​para atravessar o rio em seu caminho para a escola em uma aldeia remota na província de Rizal, a leste de tManily.

 Os alunos tem ainda que andar uma hora até chegar à escola.

 Se o rio transborda as crianças não podem voltar para a casa e ficam alojadas nas casas de parentes, professores ou amigos.

A comunidade local apresentou ao governo uma petição para que uma ponte  fosse construída para facilitar a locomoção dos alunos.



Em muitas localidades do Nepal as crianças utilizam cabos de aço para atravessarem regiões montanhosas que separam as escolas de suas casas.

 Na Colômbia, crianças de várias famílias que vivem na floresta tropical, 65 km ao sudeste de Bogotá, vão à escola com estas cordas que ligam os dois lados da vila. Esta é a única maneira de chegar à escola. Os cabos de aço tem 800 metros de comprimento e são suspensos a 400 metros acima do Rio Negro (Guainia). A menina da foto é Daisy Mora e seu irmão Yamid, estão se movendo a 80 km / h. Yamid está dentro do saco porque é muito pequeno (5 anos) para atravessar o rio por conta própria. A viagem dura 60 segundos.

 As crianças que vivem em um internato em Pili (China( devem atravessar um caminho extremamente perigoso. A viagem é feita pelo menos uma vez por semestre e seu percurso e vencido em dois dias.





E para terminar, imagem de uma menina indo para a escola  no meio do conflito entre as forças israelenses e palestinas em um campo de refugiados em Shuafat.


Fonte:  http://bigpicture.ru

Nenhum comentário:

Postar um comentário