Auschwitz - lembranças do horror (66 fotos)

Imagem aérea de Birkenau feita por um avião estadunidense de vigilância, em 25 de agosto de 1944.

Eu li por aí que alguns indivíduos afirmaram não ter existido o Holocausto. Leiam a postagem e tirem suas próprias conclusões.


Auschwitz-Birkenau é o nome de um grupo de campos de concentração localizados no sul da Polônia, símbolos do Holocausto perpetrado pelo nazismo. A partir de 1940 o governo alemão comandado por Adolf Hitler construiu vários campos de concentração e um campo de extermínio nesta área, então na Polônia ocupada. Houve três campos principais e trinta e nove campos auxiliares.


Auschwitz I foi o centro administrativo de todo o complexo. Foi aberto em 20 de maio de 1940, a partir de barracas de tijolo do exército polonês. Os primeiros prisioneiros do campo foram 728 políticos poloneses de Tarnów. Inicialmente, o campo foi utilizado para internar membros da resistência e intelectuais poloneses, mais adiante foram levados para lá também prisioneiros de guerra da União Soviética, prisioneiros comuns alemães, elementos anti-sociais e homossexuais. No primeiro momento chegaram também prisioneiros judeus. Geralmente o campo abrigava entre treze e dezesseis mil prisioneiros, alcançando a quantidade de vinte mil em 1942.



Auschwitz II (Birkenau) é o campo que a maior parte das pessoas conhece como Auschwitz. Ali se encerraram centenas de milhares de judeus e ali também foram executados mais de um milhão de judeus e ciganos.

O campo está localizado em Brzezinka (Birkenau), a 3 km de Auschwitz I. A construção iniciou-se em 1941 como parte da Endlösung der Judenfrage (solução final). O campo tinha área de 2,5 por 2 km e estava dividido em várias seções, cada uma delas separadas em campos. Os campos, como o complexo inteiro, estavam cercados e rodeados de arame farpado e cercas elétricas (alguns prisioneiros utilizaram-nas para cometer suicídio). O campo albergou até 100.000 prisioneiros em dado momento.O objetivo principal do campo não era o de manter prisioneiros como força de trabalho (caso de Auschwitz I e III) mas sim de exterminá-los. Para cumprir esse objetivo, equipou-se o campo com quatro crematórios e câmaras de gás. Cada câmara de gás podia receber até 2.500 prisioneiros por turno. O extermínio em grande escala começou na primavera de 1942.


Os campos auxiliares de trabalho, instalados no complexo de Auschwitz, estavam estreitamente relacionados com a indústria alemã, principalmente nas áreas militar, metalúrgica e mineradora. O maior campo de trabalho era Auschwitz III Monowitz, que iniciou suas operações em maio de 1942. Este campo estava associado com a empresa IG Farben e produzia combustíveis líquidos e borracha sintética. A intervalos regulares, o pessoal médico de Auschwitz II fazia revisões sanitárias a fim de enviar os doentes e fracos às câmaras de gás de Birkenau.

Após 1943, os prisioneiros desses campos passaram a ser identificados com tatuagens.

Dependendo das razões da prisão, os presos recebia triângulos de cores diferentes juntamente com os números costurados na roupa. Presos políticos e os considerados criminosos utilizavam um triângulo vermelho/ verde. Triângulos pretos para  ciganos e os indivíduos considerados anti-sociais, para as  Testemunhas de Jeová era usado o triângulo roxo e  homossexuais utilizavam um triângulo  rosa. Para os judeus eram desenhada uma estrela de seis pontas, que consiste em um triângulo amarelo e um triângulo da cor  que identificava o motivo de sua prisão. Os prisioneiros de guerra soviéticos foram identificados pelas iniciais 'SU". 

As condições em Auschwitz  sempre se modificaram, no entanto, em qualquer época em que o campo esteve ativo, essas condições foram desumanas. Na primeira leva de prisioneiros, os mesmos eram alojados em salas e dormiam no chão coberto de palha.

Mais tarde as palhas foram substituídas por finos colchões de feno. Salas que cabiam no máximo 50 pessoas, chegaram a abrigar mais de 200 indivíduos.

Com o crescente número de prisioneiros, os colchões foram dando lugar a beliches de madeira e/ou tijolos cobertos por feno que podiam possuir 2 ou 3 "andares".

O banheiro de Auschwitz I comparado ao banheiro de Auschwitz - Birkenau parece uma "maravilha da civilização"
Auschwitz I

Auschwitz - Birkenau


Lavatório, um regalo extremamente raro aos prisioneiros.

Placa que identificava um dos blocos.

A maioria dos prisioneiros eram mandados para os trabalhos forçados e muitos morriam de exaustão, todos os dias enfrentavam uma rotina extenuante e passavam pelo grande portam de metal onde se encontra até hoje a inscrição "o trabalho liberta".

Em Auschwitz, o boloco 11 eram um dos piores, quase nada do mundo externo podia ser visto, as janelas deram lugar as paredes, sobrando somente duas na sala onde ficavam os guardas de plantão.

Na câmara onde os prisioneiros aguardavam julgamento, quando a porta se fechava a escuridão era horripilante havia uma pequena abertura com grandes por onde o ar entrava.

Quando o número de execuções era pequeno, o prisioneiro entrava na sala abaixo e era obrigado a se despir antes de ser executado com um tiro.

Quando as execuções eram muitas, os prisioneiros eram levados para o "muro da morte" entre os blocos 10 e 11 onde eram fuzilados.

Sob o muro de pedra do bloco 11 foi construído outro de placas de isolamento pretas e nas execuções eram utilizados rifles de pequenos calibres, tudo para diminuir o ruído da morte.



Nos campos o prisioneiro podia ser punido por motivos banais como urinar durante o trabalho ou trabalhar "muito lento". Uma das punições era encarcerar o indivíduo em blocos de 90x90cm.


Em setembro de 1941, foi feita a primeira tentativa de assassinato em massa por gás. Cerca de 600 prisioneiros de guerra soviéticos e 250 prisioneiros doentes do hospital do campo, em pequenos lotes foram colocados em uma câmara selada no bloco 11.


O nome das pessoas mortas era registrado no livro diário de Auschwitz.


Abaixo lista de pessoas condenadas à morte.

Bilhetes deixados pelos condenados à morte.

Crianças também eram levadas aos campos de concentração, a maioria morria nas câmaras de gás imediatamente após a chegada. tinham tratamento igual aos adultos, eram fichadas e identificadas, muitas como presos políticos.


As crianças eram vítimas de experiências pelos médicos nazistas.


Conclusão sobre os resultados de raios-X, realizado durante os experimentos com os gêmeos pelo Dr. Mengele. 

Carta de Heinrich Himmler, em que ele ordena o lançamento de uma série de experimentos sobre esterilização 

Cartão registra prisioneiros de testes antropométricos nas experiências do Dr. Mengele. 

Página do livro de registro dos mortos, em que consta os nomes dos meninos que morreram após injeções de fenol nas experiências médicas.

Lista de presos libertados colocada em um hospital soviético para tratamento.

Nas câmaras de gás era utilizado o Zyklon B.


Muitos judeus vieram para os campos de concentração com a crença que estavam sendo removidos para o lesta da Europa. Os nazistas venderam a eles terrenos inexistentes e lhes mostraram plantas fictícias desses lugares. Muitos indivíduos levavam para a morte tudo que possuíam de valor. Esses objetos chegavam a representar grande parte dos rendimentos obtidos nos campos.


Objetos encontrados armazenados após a libertação de Auschwitz.

Modelo representando uma câmara de gás e abaixo os fornos de cremação. As vítimas eram levadas as câmaras com a mensagem de que estavam indo para o banho, isso para não haver pânico.



Foto de pessoas mortas sendo queimadas em Auschwitz.

Em Auschwitz, um grande necrotério foi convertido em uma câmara de gás temporária.


Em outra sala, fornos duplos que chegam a queimar 350 corpos por dia.


 
No edifício nº 5 estão as provas dos crimes que guerra ocorridos em Auschwitz. Milhares de objetos pertencentes as vítimas que pereceram nesses campos. Há todos tipos de objetos que se possa imaginar, inclusive pertences de crianças de colo e mais de 7000 Kg de cabelo que eram vendidos pelos nazistas.


















As escadas do museu de Auschwitz estão gastas pela quantidade de visitantes que até hoje recebeu.

A fábrica da morte de Auschwitz fechou suas portas em 27 de janeiro de 1945, quando 7.000 prisioneiros deixados para trás pelos alemães esperavam as unidades do Exército Vermelho.
Fontes: 
Aquatek-filips.livejournal.com
http://pt.wikipedia.org/wiki/Auschwitz-Birkenau

6 comentários:

Nicolae Sofran disse...

Atr´[as desse mentiroso "holocu$to" se esconde o assassino comunista judaico dos judeus Lênin, Trotsky, Frenkel, Yagoda, Kaganovich e ect. que matou 100 milhões de pessoas! Mostram o Gulag e a Sibéria seus covardes "humanistas"!

carlos m. rodrigues disse...

Intolerável o que acabo de ler. Só a indigência mental é capaz de produzir um comentário desta natureza. Perder mais tempo com gente assim é dar-lhe protagonismo que não merece um pigmeu intelectual.

Maerle Figueira disse...

É realmente incrível como ainda tem gente que acha que essa tragédia humana nunca aconteceu. É claro que o monstro Stalin também era uma besta-fera que matou covardemente milhões de pessoas. Ninguém pode se esquecer também de outro monstro que se fala pouco,o ditador sanguinário Pol Pot, no Camboja, que bebeu o sangue de mais de 1 milhão de camponeses inocentes.

AMG profile disse...

ambos estão parcialmente corretos ......!!

AMG profile disse...

São visões ambíguas que merecem considerações. Todo comportamento exagerado causa afronta e ira . Qto aos camponeses inocentes , lembre-se que em tal situação ainda se encontra boa parte do continente africano. Sob os holofotes da mídia e das autoridades mundiais.Covardia ou interesse ????

AMG profile disse...

triste !!!!!!!!!!!!!

Postar um comentário