Greve do Magistério em SC continua, governo apresenta proposta que desrespeita os professores

A proposta apresentada ao SINTE/SC hoje, 23, durante audiência com a equipe gestora do Governo Raimundo Colombo foi rejeitada pelos trabalhadores em Educação e considerada uma "afronta" ao magistério.

O governo catarinense não respeitou a lei do Piso, não o considerou como vencimento base e acaba com a carreira do magistério catarinense.

"Não vamos apresentar (à categoria) esta proposta porque é uma afronta aos professores da rede estadual de Educação. A proposta desvaloriza os professores, acaba com a carreira do magistério catarinense, além de desrespeitar a categoria", criticou a coordenadora estadual do SINTE/SC, Alvete Bedin.

A coordenadora do SINTE/SC afirmou que a proposta do Governo não divide a mobilização da categoria. "Vai fortalecer a greve, pois fomos desrespeitados pelo governo Colombo".

A greve do magistério estadual entra hoje no sexto dia e conta com a adesão de 90% dos trabalhadores, que reivindicam a aplicação imediata do Piso como vencimento de carreira e sem alteração da tabela.

"A greve está forte e estamos no movimento certo; há uma lei federal que garante o Piso como vencimento básico sem alteração na tabela; o governo de Santa catarina deve respeitar a lei e apresentar proposta que beneficie todos os trabalhadores do magistério e não apenas alguns", disse a coordenação.

O achatamento da tabela foi considerado inaceitável pelo SINTE/SC, que reivindicou que o Governo retirasse a proposta da mesa. O governo optou pela intransigência, manteve a proposta e condiciou a continuidade do diálogo à suspensão imediata da paralisação na Educação.

Cerca de 500 professores acompanharam a audiência concentrados na frente da SED e, quando foram informados do resultado do encontro com o Governo, gritaram que, "greve continua até o governo pagar o que nos deve!".

Fonte do texto e imagem: Sinte - SC

Nenhum comentário:

Postar um comentário