Brasil: terra dos coitados

Graças ao escritor Sérgio Rodrigues, já deixei de associar a palavra coitado ao sentido de submetido ao coito, como ele mesmo diz, "fodido".

No Brasil muito se utiliza a expressão "coitado" para definir aquele individuo digno de pena, que sofreu um grande revés, algo quase insuperável.

Nesse sentido grande parte da população brasileira tem a cabeça lisa de tanto o Estado passar a mão, porém os bolsos e barrigas vazias. O aumento da classe média fez crescer também o "peso na consciência" dos indivíduos com referência as questões sociais, principalmente no que diz respeito a pobreza.

O pobre passou a ser tratado como coitado, pois as classes mais abastadas têm consciência da desigualdade que em parte ela é responsável, assim grande partes dos pobres, no olhar das outras classes, sofreram um golpe que nunca se recuperarão, pois tal desigualdade é tratada como um processo natural e poucos "coitados" têm a consciência dos responsáveis por esse processo, mantendo-o contínuo.

"Pobre coitado" é aquele que aceita sua condição, estagnado, indiferente ao movimento que faz parte da realidade. Não podemos chamar de coitado aquele que não está acomodado, as próprias outras classes não o vêem assim, o indivíduo que luta, resiste e não aceita sua condição servil é visto no mínimo como subversivo, pois tenta transgredir a "ordem" tida como natural.

A inconformidade e a luta são tarefas árduas que muitos preferem não abraçar, conformando-se com o título dado por outras classes: coitado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário