Onde depositam o lixo na sua cidade?

Falar sobre a questão do lixo urbano é sempre uma polêmica, principalmente porque é sempre difícil definir com precisão o grau de responsabilidade de cada cidadão. No entanto, podemos dizer que os governos têm uma parcela considerável de culpa pelo descaso com o lixo quando este se torna de responsabilidade pública.

De acordo com Mansur, pode-se definir lixo como "Todo e qualquer resíduo sólido proveniente de atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas (folhas, terra, etc.). Sua caracterização é feita segundo sua origem, dividindo-se basicamente em residencial, comercial, industrial e hospitalar. A importância da limpeza urbana passa por evitar efeitos maléficos do lixo, em termos de agentes físicos (problemas de assoreamento e entupimento); agentes químicos (poluição atmosférica advinda da queima e contaminação da água superficial e subterrânea); agentes biológicos (atrativo para vetores de doenças) e finalmente aspectos estéticos e de bem estar (poluição visual e odor desagradável)".

Existem várias formas e técnicas para tratar o lixo, dentre elas: aterro sanitário (compactação e aterramento do lixo com tratamento dos afluentes líquidos e gasosos decorrentes); compostagem (nas diversas formas possíveis, que constitui-se na decomposição aeróbica do lixo orgânico - separado em casa ou em usina - para servir de adubo na agricultura); reciclagem (reaproveitamento do material inorgânico do lixo destinado à venda para setores da indústria); incineração (queima do lixo em alta temperatura, indicado principalmente para o lixo hospitalar); coleta seletiva (triagem domiciliar do lixo destinado à reciclagem e compostagem).

Essas técnicas podem ser utilizadas pela União, estados e municípios para o tratamento dos resíduos quando estes passam a ser de responsabilidade do setor público, ou seja, quando são descartados pelos cidadãos.

A própria Constituição Federal nos artigos nº. 23 e nº. 255 prevê a responsabilidades da União, estados e municípios na preservação do meio ambiente e na prevenção de qualquer modo de poluição, além da Política Nacional do Meio Ambiente definida pela Lei nº. 6.938/81.

Apesar de toda a legislação existente o poder público se omite das responsabilidades ambientais, hora colocando a culpa nos estados, hora nos municípios, pois os mesmos possuem autonomia de legislar sobre o assunto. O que ocorre de fato é que muitos municípios, falo principalmente do Estado de Santa Catarina, não tem condições financeiras nem técnicas de lidarem com o problema do lixo e por esses outros motivos a situação nessas cidades é caótica.
Estrutura de um aterro sanitário

Pelas resoluções do CONAMA, cada município deveria contar com um aterro sanitário ou outra forma de descartar o lixo seguramente dentro das normas ambientais, não é isso que ocorre, acessando o site do ministério público de Santa Catarina no link abaixo, podemos perceber que poucos municípios possuem um aterro sanitário dentro da regulamentação.


A constatação dos dados no site do MP me deixou boquiaberto e fez com que eu levantasse questões referentes ao meu município, Porto União - SC, já que os aterros ou lixões dizem muito sobre a cidade tanto no aspecto ambiental como no social e político, diante das minhas dúvidas fui visitar o Aterro de Porto União e apesar dele não ter licença ambiental pois se encontra próximo a nascente de um riacho, acredito que a situação não seja tão grave como vi em outros municípios, que não tratam o lixo deixando uma montanha de resíduos em céu aberto. No entanto tenho que colocar mais uma questão sobre o aterro sanitário de Porto União que é o descarte de lixo hospitalar no local, material muito perigoso que devia seguir outro destino, no mais, deixo vocês julgarem minha visita pelas fotos e o vídeo abaixo.

Ah! espero alguns comentário sobre o assunto pois tal tema vem ganhando espaço nas últimas décadas em todas as esferas da sociedade.

O aterro possui tanque de tratamento dos resíduos líquidos provenientes da decomposição dos resíduos sólidos.
Os resíduos são depositados em grande valas recobertas por uma lona grossa que protege o solo do material depositado, quando cheias as valas são cobertas de terra.
O que me chamou a atenção foi a grande quantidade de urubus.
No local também é depositado lixo hospitalar.

Fontes e referências

Um comentário:

Leandro Lima disse...

É Célio...o depósito de lixo de sua cidade não é dos piores, se contrastado com o de várias cidades Brasil afora. Entretanto, noto que este depósito não é um aterro sanitário, o que seria o ideal para todas as cidades. Dentre outros, faltam a este depósito os drenos de gas, principalmente metano, a compactação e o recobrimento periódico das camadas de resíduos com terra.Quanto ao lixo hospitalar, tratado na legislação como Resíduos de Serviços de Saúde, há previsão na Resolução Conama 358/2005 de seu recebimento pelo Aterro Sanitário.

Estou ainda estudando o assunto e gostaria de poder contribuir com mais informações, mas até agora é isso...

O esquema do funcionamento do aterro é muito didático. Parabéns pela iniciativa da página.

Leandro Lima.
Analista MPMG

Postar um comentário