Miguel de Unamuno - Razão, paixão, vida!

 "O homem vive da razão e sobrevive de sonhos"
(Miguel de Unamuno)

Se for certo que toda a filosofia não valha uma hora de aflição, não podemos dizer o mesmo dos filósofos que não se limitaram a especulação filosófica e fizeram da sua vida, também uma grande obra.

Os conceitos de ação e prática tão debatidos na filosofia, não são suficientes para retirar o apreço que tenho pelos pensadores que foram além de seus escritos, um exemplo deles é Miguel de Unamuno, autor da frase que dá inicio a este pequeno texto.

Pensador apaixonado pelos problemas do seu tempo, Unamuno viveu intensamente as transformações políticas e sociais do final do século XIX e início do século XX. Além de filósofo e escritor também se engajou nas lutas políticas e chegou a fazer parte do Partido Socialista.

Participou ativamente das mudanças ocorridas na Espanha na primeira metade do século XX, apoiou a república e depois se desiludiu com ela, criticou o regime e por isso várias vezes foi destituído dos cargos acadêmicos e preso, passou seus últimos dias em prisão domiciliar.

Das suas obras destacamos as narrativas "Paz na Guerra" (1895) e "Névoa" (1914); os poemas de "Poesias" (1907) e "Andanças e Visões Espanholas" (1922); e os ensaios filosóficos "Vida de Dom Quixote e Sancho" (1905) e "A Agonia do Cristianismo" (1925).

Fonte: Uol Educação

Nenhum comentário:

Postar um comentário