Pêssanka - os ovos pintados da cultura ucraniana


A Páscoa vem se aproximando e todo ano ouço pessoas de outras cidades dizerem o quanto é forte a tradição dessa data aqui em minha região. Muito disso se deve aos imigrantes e sua grande tradição religiosa que trouxeram com eles, em especial os ucranianos.

Minha família na linhagem materna é descendente de ucranianos, da família Seroiska, dos que se estabeleceram em Jangada do Sul e Marco Cinco, pioneiros nessas terras do sul do Paraná.

Da tradição dessa família muito pouco chegou a mim, pois minha mãe mudou-se cedo daquela região e deixou grande parte da cultura para trás, uma pena. Sempre tive curiosidade e um certo interesse histórico sobre o passado da minha família e a cultura que ela um dia partilhou, os familiares mais antigos sempre contam como eram bonitas as comemorações de Páscoa, os pães, os grandes almoços com toda a família, os adornos e os ovos pintados, sim os ovos chamados Pêssankas, é deles que hoje falarei.

Sempre achei esses ovos um forte referencial da cultura ucraniana, muito belos e requintados, por muito tempo quis falar deles aqui no blog, mas me faltava o essencial: saber do que tava falando, conhecia os ovos mas não sabia quase nada de sua história ou do processo de confecção.

Pedi ajuda a um colégio religioso de minha região onde algumas irmãs confeccionam Pêssanka, foi aí que a irmã Eugênia me indicou o Sr. Vilson José Kotviski que confecciona os ovos e ministra cursos sobre o assunto.

Liguei para o Vilson e fui prontamente atendido, ele me passou as informações que precisava e ainda por cima colocou seu site a minha disposição.

Um breve histórico

Na história do povo ucraniano sempre esteve presente uma tradição de colorir ovos na época em que o Sol voltava triunfante, eliminando a neve que cobria a rica terra negra da Ucrânia. Em escavações arqueológicas, foram encontrados indícios desta arte a mais de 3.000 anos antes de Cristo, sendo que naquela época, eram utilizadas ferramentas muito rústicas para se confeccionar uma pêssanka. A explicação para o interesse do ser humano antigo pelo ovo, está no fato do mesmo possuir uma magia incrível, pois de uma forma simples e rude, surgiria a vida.

Com o passar dos anos, as ferramentas gradativamente evoluíram e com elas o homem conseguiu melhorar suas condições materiais e também os resultados da suas pinturas em ovos, surgindo melhores definições daquilo que desejava expressar.

Os ucranianos, em paridade com todos os povos antigos, veneravam a natureza e os regentes dos elementos. Assim como outros povos antigos veneravam o Sol com Apolo e seu carro puxado por leões, os ucranianos reconheciam no mesmo astro, o Dajbóh, e à ele ofereciam homenagens, pois novamente traria luz e calor para a Terra. O verde substituiria o branco da neve, as flores voltariam a desabrochar, as árvores ofereceriam seus frutos novamente e o povo poderia trabalhar a terra para obter seu sustento.

A festa da Primavera era um evento alegre, era acendida uma grande fogueira no meio da aldeia e todos comemoravam a chegada de Dajbóh, no exato momento do Solstício de Primavera. Desde o início deste dia o povo estava em festa. Oferecia seus presentes ao regente Dajbóh e entre os mesmos estavam as pêssankas. Nelas estavam gravados os raios de luz que seriam oferecidos à terra, a partir desta importante data do povo antigo.

Também nesta festa eram oferecidas pêssankas aos entes da natureza, fazendo seus agradecimentos pelas colheitas e também firmando seus pedidos para que a terra continuasse produzindo aquilo que necessitavam para viver. Estas pêssankas eram enterradas no campo, nas lavouras, pois deveriam ser presentes aos amados entes da natureza.

Neste tempo anterior ao cristianismo, o povo tinha suas crenças voltadas para aquilo que via e sentia. Era uma época em que mais do que nunca, o ucraniano estava ligado à natureza, sua fonte de vida e energia. Em 988, através do Príncipe Volodymir, a Ucrânia é batizada
nas margens do Rio Dnipró, passando a adotar o cristianismo como religião oficial. O povo absorveu essa mudança, mas não aceitou abandonar seus antigos rituais, como as Festas da Primavera.

A solução encontrada pelo clero foi a adaptação deste antigos costumes, como símbolos cristãos, ou seja, permitiam e até apoiavam o povo à manter essas tradições consideradas pagãs, mas lhes incutiam um simbolismo correlato ao cristianismo.

A antiga e tradicional Festa da Primavera, transformou-se na Páscoa cristã, por se tratar da mesma época. O povo continuava com os antigos festejos, mas mudava-se gradativamente o sentido da ocasião festiva.As pêssankas, continuaram existindo, o povo não deixou o costume de colorir ovos para expressar seus sentimentos, mas o clero religioso fez com que se abandonassem as crenças nos entes da natureza, deviam ser extintos os costumes tidos como pagãos.

As pessoas passaram então a fazer pêssankas para dar aos parentes
e amigos respeitados, na época da Páscoa, para demonstrar tudo aquilo que desejavam para seus entes queridos. As pequenas obras de arte também passaram a aparecer em datas importantes, como casamentos e nascimentos, como materialização das boas intenções que se queria expressar.

Do Processo de confecção dos ovos

Perguntei ao Vilson como eram feitos os ovos e ele me disse que "o processo, é um pouco diferente do que as pessoas imaginam ao ver uma pêssanka pronta.

Utilizamos o bico de pena, uma vela acesa e cera de abelha. A vela serve para aquecer a pena para então derreter a cera de abelha. Então simplesmente vamos isolando as cores com a cera. Começa pelo próprio branco da casca, onde se faz tudo o que ser quer nesta cor, aí mergulha todo ovo na tinta amela. O que acontece é que a cera não deixa a tinta penetrar onde tem cera. Depois se preenche o que quer com amarelo e mergulha no laranja, e se repete da mesma forma, indo para o vermelho e por último o preto que dá o fundo.

No final o ovo está todo escuro, e então é que vem a 'mágica', onde se derrete a cera e revela a pêssanka!

Nunca sabemos o que vai dar no final e esse é o interessante do processo!
Cada pêssanka pode demorar de 4 a 6 horas, tudo depende do que vai ser feito. Quanto mais detalhado, mais demora".

Em 2007 a equipe do Vilson participu do programa “Tudo é Possível” da apresentadora Eliana (que inclusive possui ascendência ucraniana por parte de mãe – sobrenome Michaelichen, vejam abaixo o vídeo:


Os Significados das cores e figuras

Preto
Representa o absoluto, o constante ou o eterno. Pode também representar a morte.
Branco
Pureza, inocência, e nascimento são os significados desta cor.
Amarelo
Símbolo da luz e da pureza. Fala da juventude, felicidade, colheita, hospitalidade, sabedoria, amor e benevolência.
Laranja
Resistência, a força e a ambição digna. Laranja também é a cor do fogo, e símbolo do sol. Representa a paixão moderada, estando entre o vermelho (paixão) e o amarelo (sabedoria).
Verde
Renovação na primavera, cor da fertilidade, frescor, saúde, esperança
Vermelho
É considerada uma cor positiva, significando a ação, fogo, desenvolvimento espiritual. Glorifica o sol e a alegria de viver. São normalmente indicadas pêssankas vermelhas para as crianças e para a juventude. Simboliza a paixão e o amor.
Marrom
Símbolo da mãe terra, trazendo seus presentes aos seus entes.
Azul
Simboliza o céu, o ar, a vida, verdade, fidelidade, confiança, talismã da saúde.
Roxo
Quando usado, simboliza fé, paciência e confiança.


Alguns exemplares de Pêssankas:


Meus agradecimentos ao Vilson José Kotviski e a todas as pessoas que gentilmente partilharam as informações contidas nesse post.

Fontes e referências:
Entrevista com Vilson José Kotviski

Nenhum comentário:

Postar um comentário