Espécies ameaçadas - Canário-da-terra

 Foto: Wikipedia.org

Quem dera que o estilingue fosse a maior ameaça do Canário-da-terra (Sicalis flaveola brasiliense) ou simplesmente Canário Terra, lembro que em minha infância era comum ver os meninos darem algumas bordoadas em todos os pássaros que viam, inclusive o canarinho, porém, com o passar do tempo ficou cada vez mais difícil encontrar esse animais, nas cidades quase desapareceram. Isso não ocorreu pelas bordoadas das crianças e sim pelo comércio e apreensão desses exímios cantadores.

Foto: Wikipedia.org

Diferentemente de outros canários, o Canário-da-terra é de origem sul-americana, ocorrendo no Brasil em quase todo o seu território. Os filhotes são da cor cinzenta ou parda, independente do sexo. Quando adultos, os machos têm cor predominante amarela, principalmente na cabeça com tons avermelhados, e as fêmeas tomam um tom pardo ou amarelo misto com estrias escuras. Os machos podem brigar entre si por fêmeas – que normalmente atiçam as brigas – até à fuga de um dos canários. Tanto os machos quanto as fêmeas cantam, sendo que as últimas alcançam menor diapasão. A alimentação é tipicamente constituída de sementes (como alpiste) e vegetais folhosos. Alcançam um tamanho de 13,5 centímetros.

O valor comercial do canário está em seu belo canto e na cor amarelo/vermelho que tomam principalmente os machos. Por ser uma ave nativa é necessária a autorização do IBAMA para iniciar uma criação de desses animais, o que raramente os criadores amadores fazem, apreendendo animais em seu habitat natural e transportando-os em condições precárias para outros lugares, inclusive para fora do país.

Foto: Wikipedia.org

Muitas pessoas são complacentes com o tráfico de animais, inclusive colaborando na compra de espécies nativas ameaças, o nosso silêncio é uma forma de colaborar com a extinção de pássaros e outros animais, inclusive do Canário Terra.

Se você conhece alguém que trafica, apreende ou caça animais silvestres, denuncie através da Linha Verde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário