4 de abril de 1968 - Morre um lider, Martin Luther King

"É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
É melhor tentar, ainda que em vão, que sentar-se fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias frios em casa me esconder.
Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver".
 (Martin Luther King)


Só Deus mesmo para entender quanto a cultura negra influenciou meu modo de pensar, sempre tive os negros americanos como referência de resistência e afirmação no mundo preconceituoso que se firma até hoje, só muitos anos depois de ouvir as primeiras frases de Luther King fiquei sabendo que no Brasil também havia alguns Martins.

Pois então, tenho saudade de uma época que não é a minha, quanta coisa rolou naquele ano de 1968, muita coisa boa, muita revolução (as mulheres que nos digam!), a declaração Internacional dos Direitos Humanos pela ONU, no entanto, muita coisa ruim também acontecia, a guerra fria estava assolando o mundo em um conflito idealista, a guerra do Vietnã, as ditaduras na América Latina, os conflitos na África.

Foi no "ano que não terminou" que perdemos o homem Martin Luther King e ganhamos uma lenda, ele conversava com um pastor na sacada do hotel Lorraine (hoje sede do Museu Nacional dos Direitos Civis) quando foi atingido por um tiro de rifle disparado por James Earl Ray (1928-1998). A morte levou milhares de pessoas a protestar por três dias, esses protestos ecoam até hoje e seu nome é quase uma oração, mais de quarenta anos depois do ocorrido não existe alguém que já tenha estudado os movimentos sociais no século XX que não tenha chegado a Martin.

Hoje Faz 42 anos que a morte silenciou o grito de liberdade de um homem, mas esse grito continuou propagado por milhões.

I have a dream...

Nenhum comentário:

Postar um comentário