Tudo vale a pena se a alma não é pequena - protesto

"Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena".

Começo esse texto com as belas palavras de Fernando Pessoa para descrever o que sinto nas ações das pessoas no meu cotidiano, principalmente no meio acadêmico. Acho que voltei fazer mais uma graduação porque senti falta das pessoas com atitude, poucas no mundo.

Há muita gente esclarecida sobre como a sociedade se estrutura politicamente, várias inclusive tem um discurso bonito sobre o assunto, opiniões recaem sobre a gente em todos os momentos, há sempre alguém dando um tapinha nas costas para que você faça o que eles não tem coragem.

Nessa sexta não faltaram tapinhas nas costas no protesto realizado pelos alunos do curso de Filosofia da Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de União da Vitória. O objetivo era protestar contra a falta de professores no curso por causa do impasse PT/PMDB, uma rixa política acabou modificando cargos administrativos dentro da SETI e a contratação dos professores foi adiada. 


Os alunos do curso colocaram narizes de palhaço e saíram na praça em frente a faculdade para demonstrar a insatisfação com as manobras políticas que atrapalham a educação no estado. No fim uma notícia boa, o diretor da instituição divulgou e-mail enviado pela SETI prometendo para segunda feira (15-03) a autorização para a contratação de professores resolvendo parte do problema.

Mas o que levo de todo esse episódio é a vontade que supera o constrangimento, supera o medo das instituições e ultrapassa a maior das barreiras que é a indiferença, poucas coisas me irritam de verdade, e a apatia é uma delas, pensar só vale a pena em conjunto com o agir. Termino aqui esse pequeno eco da ação que ocorreu nessa sexta.

"Estranhem o que não for estranho.
Tomem por inexplicável o habitual.
Sintam-se perplexos ante o cotidiano.
Tratem de achar um remédio para o abuso
Mas não se esqueçam de que o abuso é sempre a regra".
(Bertolt Brecht)

2 comentários:

ROBERTO LIMA disse...

Os professores têm que lutarem por seus direitos, pois os mesmos têm os salários defasados.

Célio Roberto Pereira disse...

Professores, alunos, enfim, a sociedade em geral só tem força quando mobilizada.

Postar um comentário